Notícias

Confira as últimas notícias da área de atuação da Statera e fique sempre bem informado.

“Déjà vu”: responsabilizando as mulheres pela reprodução sem garantir seus direitos

19 de Abril de 2021. sxpolitics.org

Imagem: Isma Gul Hasan, Quarantzine 03

Em julho de 2020, grupo de investigadoras/es em saúde reprodutiva publicou artigo no International Journal of Gynecologists and Obsetricians (leia em português) sobre a elevada incidência de mortes maternas decorrentes da COVID-19 no Brasil, que então possuía uma média 3,4 vezes maior em comparação ao resto do mundo. Em abril de 2021, um estudo do Observatório Obstétrico Brasileiro COVID-19 (OOBr Covid-19), divulgado pela Folha de São Paulo no dia 14 de abril, informa que nas primeiras 43 semanas de pandemia em 2020 foram registradas 449 mortes no Brasil, aproximadamente 10 mortes a cada semana. Já nas 13 primeiras semanas de 2021, registraram-se 289 óbitos, que significou um crescimento de mais de 100% (em torno de 22,2 mortes por semana).

Quase um terço dessas mortes maternas podem ser atribuídas à falta de assistência adequada, em particular pela falta de leitos em UTIs e intubação. Esse quadro é especialmente deletério considerando as desigualdades regionais. No Pará, por exemplo, quase metade (46%) das grávidas que morreram por COVID-19 não tiveram acesso a cuidados intensivos. E registram-se situações dantescas, como a administração criminosa de hidroxicloroquina inalável em grávidas e puérperas, que pode ter levado à morte de algumas, no Instituto da Mulher e Maternidade Dona Lindu, em Manaus. A “técnica experimental”, mais bem comparada a um experimento nazista, foi realizada por um casal de médicos que apoiam o “tratamento precoce” e violou todas as normas éticas e boas práticas nacionais e internacionais. Segundo apuração da Folha de São Paulo, somente duas pacientes assinaram termo de consentimento, das cinco que foram submetidas à nebulização, e quatro morreram. Ainda mais aterrorizante é o fato de que vídeo de uma das pacientes durante a nebulização está sendo utilizado como propaganda do tratamento precoce mesmo após a sua morte por membros do Executivo nas redes bolsonaristas. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência Onix Lorenzoni foi um dos principais disseminadores da peça, que já teve mais de 132 mil visualizações.

https://sxpolitics.org/ptbr/deja-vu-responsabilizando-as-mulheres-pela-reproducao-sem-garantir-seus-direitos/11790
Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Statera Cursos - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela Statera Cursos.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a Statera Cursos não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a Statera Cursos implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Entre em contato