Notícias

Confira as últimas notícias da área de atuação da Statera e fique sempre bem informado.

Racismo estrutural leva à maior mortalidade materna entre mulheres negras, aponta pesquisadora

13 de Novembro de 2021. Gabriela Amorim

Durante o último ano, morreram 78% mais mulheres negras grávidas do que mulheres brancas em razão da pandemia de Covid

A pandemia de Covid-19 descortinou a desigualdade que marca a mortalidade materna de mulheres negras e brancas, é o que explica é Emanuelle Góes, pesquisadora de pós-doutorado do CIDACS/Fiocruz/Bahia, doutora em Saúde Pública e integrante do GT Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Durante o último ano, morreram 78% mais mulheres negras grávidas do que mulheres brancas por Covid, de acordo com levantamento feito pela ONG Criola.

A pesquisadora explica que a mortalidade materna, de maneira geral, é um evento evitável e que vinha diminuindo ao longo dos anos, com uma estagnação nesta queda a partir de 2014. Emanuelle Góes observa, porém, que essa diminuição se deu de forma desigual, sendo maior para as mulheres brancas e em menor proporção para mulheres negras. E que esta questão piorou no contexto da pandemia.

Os profissionais e pesquisadores de saúde coletiva já previam que a Covid-19 iria impactar de forma diferenciada as gestantes. “Obviamente que ia impactar mais as gestantes negras, das regiões mais distantes dos centros, das periferias, da região norte e nordeste”, explica a pesquisadora.

Ela conta ainda que o Estado brasileiro até o momento não apresentou nenhuma iniciativa para superação desses índices. “Não há qualquer iniciativa para redução da mortalidade materna com um olhar de enfrentamento ao racismo. As mulheres negras morrem porque o racismo é estruturante, ele é institucional”.

Desta forma, para a pesquisadora Emanuelle Góes, a fim de se reverter esse cenário é preciso implementar políticas de enfrentamento ao racismo nos espaços da saúde, e em particular na atenção obstétrica. “As mulheres precisam parar de morrer de uma morte prevenível. Parar de morrer em um momento e que elas estão dando a vida”, finaliza.

https://www.geledes.org.br/racismo-estrutural-leva-a-maior-mortalidade-materna-entre-mulheres-negras-aponta-pesquisadora/
Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Statera Cursos - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela Statera Cursos.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a Statera Cursos não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a Statera Cursos implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Entre em contato